contato Departamento de Conservação e Restauro corpo Técnico Crédito

           Estou: home > Histórico > Capela de 1915

  A Basilica
  Símbolos Basilicais
  Histórico - Arquivo
  Frades Capuchinhos
  Elementos Artísticos
  Conhecendo a Basílica
  Conservação e restauro
  Peças Novas
  Cartas Patrimoniais
  Artigos sobre restauro
  Links
 
  Página Principal
 






 

Rara publicação de 36 págs encontrada pelo professor de História Francisco Carballa foi editada nesta cidade em 1915, sendo impressa na capital paulista pela tipografia de Pocai Weiss & C. :
 

a Capella do Embaré --1915  - parte 7

A atual Capela do Embaré

Da antiga Capelinha do Embaré de há quarenta anos, o que se vê hoje bem se pode chamar uma igreja.

Restaurada, ampliada, reformada e reconstruída, o transeunte da praia admira o edifício harmônico e sóbrio, que a piedade de uns, a devoção de outros, e a generosidade de muitos elevou àquela altura.

A capela atual acha-se reconstruída sob o plano feliz de Maximiano Hehl, e obedece, nos traços gerais, ao estilo gótico, vendo-se as pequeninas ogivas e rosáceas, e a torre com para-raios, de vinte metros d'altura. Encarregou-se das obras o operário português Manoel Gonçalves, de modéstia e competência superiores, dirigindo-as e fiscalizando-as o notável arquiteto Edmundo Krug.

A capela mede agora vinte e três metros de comprimento por seis metros e vinte de largura. Na frente destaca-se em pequeno nicho o orago St. Antonio, colocado por cima da rosácea central, com vidros e vitrais da grande casa Conrado Sorgenicht.

Interiormente a capela causa uma funda impressão. Em vez de paredes brancas e nuas, um grande artista austríaco, Steinbacher, pintou-as com um esplêndido vigor. Como em suntuosas catedrais européias, como até no mosteiro de São Bento, em São Paulo, estão as capelas do Santíssimo, e rev. abade, aqui, na do Embaré, as decorações murais são de cor e ouro com ornatos e desenhos floreados e neo-góticos, donde sobressaem em quadros, a fresco, os quatorze passos do Senhor. Separa a capela-mor da nave central um enorme arco gótico que deixa ver o fundo ricamente colorido onde está o altar de mosaico, oferecido pelos Rr. Pp. do Sagrado Coração de Jesus de Santos, com o crucifixo de prata, soberbo presente do sr. coronel Ribeiro da Costa.

Sobre a entrada estende-se o coro com espaço para quarenta ou cinqüenta músicos. No teto, cercado por uma mimosa folhagem colorida, fixou-se um tríptico de assunto religioso.

Entre o mobiliário, todo novo, ergue-se o púlpito d'embuia com flores entalhadas, generosa oferta dos srs. Quíncio Peirão, conhecidos e respeitáveis práticos da barra, e os magníficos bancos brindados pelo sr. Manoel Rodrigues da Silva.

A capela é profusamente iluminada a luz elétrica, tendo sido a instalação feita gratuitamente pelo distinto cavalheiro Carlos Nunes, o simpático industrial e interessado da casa Byigton.

Para chamar às cerimônias, há cinco sinos no campanário que vibram pelo espaço o amor de Deus.

Acha-se, pois, guarnecida de todas as galas e alfaias religiosas a antiga capela do Embaré.

Tão intenso e produtivo resultado deve-se sobretudo à tenacidade do padre Gastão, que lhe quer tanto como à própria vida, e ao auxílio e proteção ilimitados do generoso povo santista. Seria extensíssima e brilhante, mas não cabia nas proporções a que temos de reduzir estas páginas, a lista das pessoas que, direta ou indiretamente, com brindes e presentes, quer com esmolas e subscrições avultadas, levaram ao fim esta cruzada.

Mencionamos algumas, aquelas de que mais facilmente colhemos informações, e que muito se esforçaram para este fim. Muitas, muitíssimas mais havia a quem dar um voto de perpétua gratidão, mas é-nos absolutamente impossível continuar. Que se gravem ainda aqui os nomes das dedicadas e virtuosas senhoras d. Olympia Vieira Coelho e d. Alzira Campos Assumpção, como das mais prestimosas e interessadas na capela, e de Abdias Maracajá o infatigável amigo e propagandista, que tão relevantes serviços empregou.

E para dar as últimas notas em que se reúnem simultaneamente a religião e a beleza, o espírito da moral e a mocidade bondosa, temos que recordar a gentil senhorita Odette Gomes, mimoso ser feminino que se impõe por um elevado caráter e uma sublime grandeza de crença, e que angariou grandes recursos no five o'clock tea que promoveu no Miramar, recinto obrigado das reuniões seletas. Seguindo-lhe a iniciativa altruísta, a notabilíssima pianista d. Izabel Azevedo von Schering que é uma glória do Brasil, deu parte da receita do seu último concerto em favor da capela do Embaré.

Começamos estes apontamentos por uma homenagem de respeito e saudade aos mortos que fundaram a capela.

É justo que terminemos por um hino de graças, vibrante e comovente, aos vivos que continuaram e desenvolveram a obra modesta mas cheia de unção em louvor de Deus.