contato Departamento de Conservação e Restauro corpo Técnico Crédito

          Estou: home > Elementos Artísticos > Fachada Principal

  A Basilica
  Símbolos Basilicais
  Histórico - Arquivo
  Frades Capuchinhos
  Elementos Artísticos
  Conhecendo a Basílica
  Conservação e restauro
  Obras Novas
  Cartas Patrimoniais
  Artigos sobre restauro
  Links
 
  Página Principal
 







Introdução Geral à Fachada (área 892m2)

Construída em estilo Neogótico francês, apresenta aspectos bastante peculiares, que merecem uma analise mais apurada. 

Encimada por duas grandes torres gêmeas, distintas em uso, possui elementos decorativos em profusão, dos quais podemos destacar a grande Rosácea., com a efígie do Padroeiro Santo Antonio ao centro e demais símbolos sacros. A Rosácea muito utilizada nas obras do período medieval servia como referencia para catequese da época. Era a rosa mística (figura da virgem Maria) que trazia ao centro o Cristo (sol da Justiça), geralmente com doze pétalas, que figuravam a lembrança dos apóstolos, eram o marco do inicio e o fim de todo o universo criado.

 

A Rosácea, construída em concreto armado e tijolo de barro cozido e revestida de argamassa, recebeu ornamentação, com peças em apliques de concreto, estucado em coloração levemente amarelada. (próximo ao marfim forte)

Sobre a porta principal encontramos o tímpano de cimento, executado pela casa Labor, em Santos, responsável pela inauguração da parte de baixo da fachada principal, em 1948.

 

 

 

 De proporção equilibrada, descreve os principais milagres atribuídos ao taumaturgo: “a aparição do menino Jesus nos braços de Maria sob a vista dos Anjos em adoração”, ao fundo a direita “O milagre da mula que se curva diante da presença Eucarística” à esquerda “O milagre da prédica aos peixes”.

 Apresenta ainda a baixo símbolos como “O Cordeiro Místico” (Agnus Dei), a figueira (símbolo da vinda do reino Messiânico, 1 Rs 4,25), a Eucaristia e a Esperança Virtude representada pela Âncora.

 

Brasão do Papa Pio XII

 Quando da elevação da Igreja à dignidade de Basílica, a 3 de dezembro de 1952, foi colocado o Brasão do Papa Pio XII. Somente as Basílicas Menores ostentam em suas fachadas os Brasões Papais que as elevaram a tal dignidade.

Torre em estilo Gótico flamejante, característico do Neogótico do principio do século XX, onde a ogiva central é cercada por quatro ogivas menores, mas simétricas, em cúspides agudas, polidas, na cor cinza escuro, rústicas e envelhecidas, sua dimensão é duas vezes o  tamanho do corpo de sua base, com terminações em agulhas e a maior em cruz.

 Ao centro abre-se o Gablete com venezianas, em madeira, em estilo clássico, renascentista, encimado por agulhas com a forma de  florões, em concreto armado, lembrando a flor de lis, na volta as quatro torres menores decoradas em arcos de baixo relevo em quinas em curvas, também em concreto armado, as paredes em tijolo de barro cozido, revestido com argamassa, e finalizada em massa raspada frisada nas bordas  com 0,015 m, e emendas.

Construção em concreto armado, com paredes de alvenaria de tijolo de barro cozido com revestimento em argamassa e acabamento em massa Raspada e apliques, decorativos, de concreto que se distribui em profusão e variedade nos vários elementos da composição da fachada. 

A fotografia ao lado mostra o estado como se conservou até  hoje a abertura em forma de rosácea de 5 (cinco) pétalas que coroa o arco em ogiva e o rendilhado em peças de concreto.

Interessante destacar que desde a entrega do edifício este vão de  iluminação e ventilação não foi bem resolvido, sendo a principio utilizado o sistema de venezianas em madeira que acabou por empobrecer o efeito previsto de um possível vitral até hoje não executado, recentemente introduziu-se vidro na cor amarela.

 Grande Rosácea de 12 pétalas, em homenagem ao Padroeiro Santo Antônio, confeccionada em concreto, estucado na cor marfim, onde sua estrutura, em caixilho de aço, sustenta um conjunto de vidros unidos por chumbo, acima cártula em concreto , peça única sob a rosácea, em concreto polido, na cor marfim.

 

Conjunto de vãos que dão vista para a sala abaixo da torre.

Originalmente de veneziana em madeira, hoje se encontra em alumínio pintado em  grafite e vidro canelado, onde por menos visível que se esteja, ainda sim, é um elemento de descaracterização tento por seu material de fabricação, quanto por não ter respeitado a forma original das esquadrias, quanto também por não ter sido colocado, através de um estudo artístico das características estilísticas do templo, de modo a se buscar uma solução mais eficiente através de uma execução mais simples e harmoniosa.

Desenho esquemático dos vãos e nichos abaixo das torres

 Neste desenho notamos bem o sentido de composição de arcos distribuídos na fachada, conjuntos de dois vãos de janelas em arcos românicos, com elementos góticos, fazem aberturas para pares de janelas, os nichos em concreto, em estilo gótico, apresentam-se como seções abertas, para possível colocação de Imaginárias.

 

A terceira seção da fachada da Basílica onde se encontra a porta principal e o tímpano apresenta novos elementos de composição, esta parte de fachada foi à última a ser decorada, tendo sido finalizada e inaugurada em 1948 a 28 de julho. As considerações sobre o tímpano encontram-se na introdução geral da fachada.

Encontramos a entrada principal sob o grande arco dois nichos onde se acham em cimento as imagens dos apóstolos Pedro e Paulo, podemos considerar que quando da inauguração de 1948 foram feitas varias observações pois as imagens haviam sido trocadas.

O apóstolo Pedro ocuparia o nicho direito da fachada e o apóstolo Paulo o esquerdo, ficando provisoriamente naquele ano até a troca que até hoje não se realizou. 

Os ornados dessa área já foram motivos de consideração anterior, com apliques em cimento. 

A porta em madeira, com almofada cruciforme, já se encontra restaurada.

 Toda a superfície ao fundo recebeu o mesmo tratamento em massa raspada descrita anteriormente